Conselhos
A segurança
Regressar ao topo da página

As funções de um pneu direcional

As funções do pneu

Os riscos associados

Suportar a carga Definido pelas caraterísticas
do veículo: carga no eixo
Um pneu de tamanho inferior aquece. Isto pode implicar uma deterioração rápida do pneu em rodagem que pode ir até à perda de pressão total do pneu. O apoio no piso não será otimizado, o que prejudicará o comportamento e a aderência: condução, motricidade e travagem. A recauchutagem pode ficar comprometida. A longevidade será encurtada.
Suportar a velocidade Definido pelas caraterísticas do veículo:
velocidade máxima do veículo
Um pneu de tamanho inferior aquecerá em velocidade. Isto pode implicar uma deterioração rápida do pneu em rodagem que pode ir até à perda de pressão total do pneu. A recauchutagem pode ficar comprometida. A longevidade será encurtada.
Rodagem em pisos diferentes Em função da atividade e da utilização Um pneu que não seja adaptado à posição ou à utilização pode:
- aquecer: é o caso de um pneu para utilização mista que seja utilizado em longos trajetos em autoestrada.
- degradar-se: é o caso da banda de rolamento de um pneu para utilização em estrada que seja utilizado em piso não revestido.
Neste último caso, um pneu que apresente danos profundos deverá ser observado por um especialista de modo a determinar se pode continuar em rolamento, ser reparado ou retirado de circulação. Note-se que o descascamento dos reforços metálicos implica a oxidação dos mesmos: um pneu que apresente um dano como este é considerado como não respeitando o Código da Estrada. Estes danos podem implicar uma rápida deterioração do pneu em rolamento que pode ir até à perda de pressão total do pneu. A recauchutagem pode ficar comprometida. A longevidade será encurtada.
Guiar o veículo Em função da atividade e da utilização No eixo da direção, um pneu não adaptado à posição ou à utilização pode, em função do estado do revestimento do piso e da velocidade, ter uma orientação menos precisa. Isto pode prejudicar o domínio perfeito do veículo.
Guiar o veículo Informar o motorista
sobre o estado do revestimento
Os pneus do eixo da direção são os primeiros a contactar o revestimento da estrada. Os pneus destinados a este eixo devem reportar, de forma progressiva, informações sobre a evolução do estado do revestimento da estrada: como uma diminuição passageira de aderência, por exemplo. Um pneu que não se destine a este eixo poderá ser menos progressivo ou não filtrar determinadas informações sobre a evolução do revestimento.
Assegurar o conforto
da condução
Caraterística específica
dos pneus para eixos da direção: escultura adaptada e uniformidade
O eixo da direção é particularmente sensível à uniformidade dos pneus: ligação com o volante, posição próxima do condutor, etc. Os pneus destinados a este eixo são especialmente estudados para responder a este critério e têm também esculturas adaptadas para otimizar esta função. Um pneu que não se destine ao eixo da direção responderá menos a esta função e pode implicar um peso no equilíbrio do conjunto giratório superior.
Transmitir
o binário
Travão: depende dos sistemas
de travagem do veículo.
O eixo da direção é muito solicitado
para as travagens de emergência.
A travagem com sistema de desaceleração
é assegurada pelo eixo motor
Numa travagem de emergência, produz-se uma importante sobrecarga sobre o eixo da direção: os pneus deste eixo têm, portanto, um papel primordial na distância de imobilização do veículo.
Um pneu que não se destine ao eixo da direção pode ter desempenhos de travagem inferiores quando montado nesta posição.
Numa travagem com sistemas de desaceleração, os pneus do eixo motor são fortemente solicitados a nível da escultura e da carcaça: um pneu não adaptado será menos eficaz na transmissão do binário de travagem e a longevidade será encurtada.
Transmitir
o binário
Motor: depende da potência
e do binário do veículo
A aceleração do veículo é transmitida ao piso unicamente pelos pneus do eixo motor: um pneu não adaptado será menos eficaz na transmissão do binário do motor e a longevidade será encurtada.
Durar para reduzir
os custos
Em relação ao rendimento quilométrico Os pneus devem ser adaptados ao eixo e à utilização do veículo: uma escultura não adaptada ao eixo ou uma gama não adaptada à utilização não conseguirá um desempenho quilométrico correspondente ao potencial do pneu.
Durar para reduzir
os custos
Em relação ao consumo
de combustível do veículo
Os pneus de um veículo pesado têm um importante impacto sobre o consumo do veículo. A seleção da gama e da escultura afetará o consumo de combustível. Para determinadas utilizações, é possível otimizar o consumo utilizando pneus de baixa resistência ao rolamento.
A resistência ao rolamento dos pneus diminui à medida que estes são utilizados: substituir um pneu antes do seu desgaste total* implica uma perda do potencial de poupança de combustível.

*O nível de desgaste completo de um pneu depende das legislações locais. Seguindo a legislação em vigor e no período de inverno, nunca circular com pneus cuja altura de escultura remanescente seja inferior a 1 mm após o reesculturado.

Os riscos associados ao eixo da direção e que podem produzir uma diminuição de aderência, de orientação ou que podem acarretar uma rápida deterioração do pneu em rolamento que pode ir até à perda de pressão total, podem implicar a perda de controlo do veículo.

Ascend